Textos

A liberdade de expressão possui um limite
Liberdade de expressão é um direito garantido por sociedades democráticas a fim de que as pessoas expressem livremente suas ideias e opiniões , entretanto o limite desse direito deve ser estabelecido pela ética e o respeito.

Ocorre que muitas pessoas fazem uso desse direito para fazer acusações infundadas com o intuito premeditado de tentar destruir a honra e a dignidade de outras pessoas.

Não se deve confundir críticas com difamação e acusações sem fundamento. A crítica é um instrumento democrático extremamente útil , desde que seja baseada no respeito e na ética, ou seja , é a chamada crítica construtiva.
A crítica feita de modo ético e respeitoso contribui para a evolução de quem está sendo criticado, pois ela traz reflexões e norteamentos para quem a recebe, podendo, inclusive, gerar reposicionamentos.

A crítica destrutiva é desonesta . Seu propósito é desqualificar o alvo , desonrá-lo moral e profissionalmente. Ela fica mais destrutiva quando é alimentada por paixões ideológicas ou interesses mesquinhos.

Em tempos de acirramento ideológico intenso entre direita x esquerda , como o que se vive , principalmente , no Brasil e Estados unidos , a liberdade de expressão centrada na ética tem sido desprezada por grande parte da grande mídia e por políticos, com poucas exceções.

Cito dois exemplos recentes de gritante mau uso da liberdade de expressão. No Canadá , o cartunista de um jornal ,  Michael de Adder , produziu um desenho no qual retrata Donald Trump com um taco de golfe na mão, observando, com prazer, os corpos de dois latinos mortos que tentaram cruzar a fronteira em direção aos Estados Unidos, e perguntando:
- “vocês se importam se eu seguir jogando?”.
A charge do canadense é, no mínimo violenta, para não dizer desrespeitosa. Mesmo que não goste de Trump nem de sua política de imigração, o jornalista canadense não poderia fazer julgamentos subjetivos e de natureza moral sobre a pessoa do presidente. Parece ficar bastante clara a motivação ideológica  do canadense.
A situação na Venezuela , por exemplo, é extremamente mais grave. Por que o chargista não fez charges para denunciar a situação caótica do povo venezuelano ou da ditadura do governo de Maduro?

Em reunião conjunta de três comissões da Câmara ocorrida em 02/07/2019 para ouvir o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) agrediu gravemente o ministro, tachando-o de ladrão.
O deputado se escondeu na liberdade de expressão e da imunidade parlamentar para atacar uma pessoa reconhecidamente idônea.

A liberdade de expressão deveria servir para fortalecer a democracia e não instigar o ódio , a intolerância e a injustiça, como o fizeram o deputado e o  jornalista canadense.
Marcos Antonio Vasconcelos
Enviado por Marcos Antonio Vasconcelos em 03/07/2019
Alterado em 03/07/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários